Resenha #85: Flor de Cerejeira



Título: Flor de Cerejeira
AutoraAlana Gabriela
Nº de Páginas: 315


“Qualquer um pode cometer um erro.”
Yoko sempre teve uma vida relativamente boa e estável, participava da organização do Festival Cherry Blossom, tinha amigos com quem contar na escola, tocava violino e estava treinando para fazer parte da orquestra da Juventude de Macon quando tudo começou a dar errado. Seu pai se envolveu num grave acidente, que acabou matando um pai de família e, foi parar na prisão. Sem a referência paterna, e com todos os problemas financeiros que se acumulam, o distanciamento da mãe, Naomi, que está a cada dia mais se afundando em trabalho, Yoko vê o que sobejou, de sua família, totalmente desestruturado. Em meio à dor da perda, Yoko conhece Aidan Hirsch, um garoto que parece tão desestruturado quanto ela, taciturno e solitário, e que é capaz, acima de tudo, de não julgar, simplesmente ouvir. Aos poucos, um sentimento singelo e inefável ganha forma, surgindo uma história delicada de autoconhecimento, arrependimento, culpa e superação que poderá mudar a vida desses adolescentes se assim escolherem.

Olá pessoal, tudo bom com vocês? Bem, faz um tempinho que não faço parceria diretamente com autores, mesmo sem ter motivos para isso. Quando vi um post sobre esse livro no blog Rilismo, o mesmo já me interessou bastante, então, quando Alana entrou em contato comigo, aceitei de pronto a parceria e mais que depressa comecei a ler este livro.


O livro Flor de cerejeira nos conta a história de Yoko, uma menina meiga que viu sua vida mudar quando o pai – que estava bêbado – atropela um homem, levando a óbito e evade do local.  Levado a julgamento, o pai da garota é condenado à prisão e a vida que a mesma conhecia passa a ser um borrão em seu passado.

Yoko, que acreditava ter amigos e uma vida social ativa, se vê sozinha. Sendo julgada por todos por um erro que seu pai cometeu, ela passa a tentar se tornar invisível para que as consequências dos erros que não cometeu parem de recair sobre si.

Obviamente, esta não é uma tarefa tão fácil e Yoko passa por diversas provações, chegando a ser atacada pelo filho do homem que seu pai matou acidentalmente e passando a sofrer Bullying constantemente na escola.

Em um dia onde é obrigada a fazer um trabalho em grupo – coisa que vinha evitando – a vida de Yoko começa a mudar, pois à partir desse momento, ainda que de forma gradativa, ela começa a se aproximar de Aidan, outro aluno isolado por toda a escola por ter cometido erros em seu passado.

Em meio a descobertas um do outro e de si mesmos, vemos Yoko e Aidan se reconstruindo e lutando contra seus fantasmas e medos, enquanto somos presenteados com uma história delicada, repleta de musicalidade que vai lhe encantar, com toda a certeza.


Bem, deu pra sentir que esta é uma história carregada de emoções e ao mesmo tempo singela e delicada, que nos faz sentir, pensar e repensar. Então como tenho MUITA coisa para falar desse livro, respira fundo, se acomode melhor que lá vem textão! rs

O enredo criado por Alana já me ganhou em sua sinopse e me encantou ainda mais quando tive contato com sua escrita, com seus personagens. A questão abordada dos efeitos causados na família de uma pessoa que comete um crime que causa comoção social beirou ao real e me fez refletir muito sobre o assunto. Quantos membros de famílias que não tem relação nenhuma com os crimes não sofrem as consequências dos mesmos? Quantos não são julgados como “farinha do mesmo saco” por uma população que dá um veredicto antes mesmo de conhecer os dois lados da história e se considera “o quarto poder” (papel geralmente assumido pela mídia aqui no Brasil)?

Bem, confesso que gostei muito da abordagem do tema em uma obra literária de tanta qualidade, ainda mais escrita por uma escritora nacional – de quem já quero ler mais livros!

Ademais, gostei muito de ver o conflito de sentimentos pelos quais passam os integrantes dessas famílias, tanto a da vítima quanto a do condenado. Ver a forma como Yoko vai amadurecendo seus pensamentos diante da realidade foi uma coisa bonita e dolorosa de se ler. A menina passa por momentos de tristeza, raiva e compaixão diante de toda aquela situação e ver como cada um desses sentimentos vai surgindo, florescendo e amadurecendo é algo tocante.

Quando abordei a musicalidade contida no livro, me referi a um dom da personagem, que toca violino e, pela narrativa podemos sentir o quanto àquilo a completa, o quanto a música é uma extensão de sua alma. Além disso, adorei saber um pouco mais sobre a cultura japonesa e sobre o Festival Cherry Blossom, sobre as flores de cerejeira... Me encantei com esse adendo cultural!


Outro tema importante abordado – e que eu não conhecia – é a abordagem sobre o TEI, Transtorno Explosivo intermitente, uma síndrome onde o portador costuma ter acessos de fúria. Através da narrativa, temos dados sobre a mesma, sabemos sobre seus sintomas, ocorrências de crises e tratamentos. É visível todo o trabalho de pesquisa que a autora realizou neste livro.


Quanto à narrativa, minha leitura demorou um pouco a engrenar, mas, assim que peguei o ritmo, a leitura fluiu bem e mal pude largar o livro antes de termina-lo.

Quanto aos personagens, além de Yoko e de Aidan, de quem já falei um pouquinho, ainda temos contato com a mãe de Yoko, que é uma personagem batalhadora, que está lutando muito para superar tudo o que sua família vem passado e nos trás momentos engraçados e divertidos no livro. Prometo para vocês que vão dar risadas com suas interrupções em alguns pontos da obra.

Rebecca é uma das meninas do colégio de Yoko, que era sua amiga antes do incidente e continuou sendo mesmo após o ocorrido. Com essa personagem percebemos que existem dois tipos de pessoas ruins: as que fazem coisas ruins e as que veem pessoas fazendo coisas ruins sem fazerem nada. A personagem, ao perceber isso se posiciona, faz o certo e nos ganha ao decorrer da narrativa.

Temos também Michael, o filho do homem que foi morto no acidente que envolveu o pai de Yoko. O mesmo culpa toda a família da menina pelo ocorrido, sendo ele um dos antagonistas desta história.

Temos, claro, vários outros personagens, mas, deixarei que vocês os conheçam ao decorrer da leitura.
Vale ressaltar que este não é um jovem adulto com um romance instantâneo que surge com um olhar. Esta é uma obra que fala sobre família, amizade, amor, segundas chances, reconstrução e amadurecimento, englobando todos os temas citados acima.

Bem pessoal, é isso! Se vocês buscam um livro bem estruturado, que trata de temas não tão abordados na literatura, com uma escrita incrível, envolvente e tocante, aqui está o enredo que você anda procurando. Se deixe tocar pela história de Yoko e por todos os ensinamentos nela contidos. Este não é um romance entre jovens marcados por uma sociedade apenas, é uma trama repleta de ensinamentos e vai por mim, você estará perdendo uma grande história se não der uma chance a esse livro!

Não deixem de comentar ok? Beijos e até o próximo post!






Um pouco mais sobre Alana Gabriela


Alana Gabriela é uma acadêmica autora de 20 anos. Leitora e escritora ávida, cria histórias desde 2013 e tem mais de doze livros escritos e mais quatro projetos em andamento. Alana escreveu e confeccionou artesanalmente seu primeiro livro aos dez anos; O Rapto, primeira obra intitulada da autora, era baseada no filme Chamas da Vingança, que chamou muito sua atenção quando garotinha. Publicou Efeito Dominó pela Amazon para divulgar seus escritos, bem como Histórias em Retalhos, uma coletânea de contos singelos. Seu primeiro livro físico, A Estranha Mente de Seth, foi publicado pela Editora Autografia e já se encontra no mercado. Alana divide seu tempo entre bloggar, escrever, compor canções, assistir seriados, tipo, The Walking Dead, The Blacklist, ouvir música Indie e Jazzy, ler e estudar na UFS.Alana gosta de olhar para o céu em dias de chuva!

18 comentários:

  1. Esse livro deve ser otimo. Já li vários comentários positivos a respeito e estou cada vez mais curiosa diante desse desenvolvimento. Desejo muito sucesso para a Alana Gabriela e espero ainda ter a oportunidade de fazer essa leitura também.
    Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem?
    Já tinha lido uma resenha desse livro antes da sua e cada vez tenho mais certeza que é um bom livro. Fiquei impressionada com o fato da autora ser tão jovem e ainda assim escrever uma trama tão densa com um tema tão delicado. Sua resenha me chamou a atenção e despertou o interesse em conhecer melhor como a Yoko lidou com a situação e qual a contribuição do Aidan para ajudá-la. Enfim, a trama parece ser muito boa mesmo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi, sempre que vejo a divulgação ou resenha deste livro e tem uma foto da autora, eu sorrio junto com ela, porque o sorriso dela é contagiante. Quero muito ler o livro porque não manjo nada da cultura japonesa e acho que posso aprender e me envolver com isso durante a narrativa. A musicalidade no livro também me chamou a atenção. Espero conferir em breve.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Já conhecia o livro e autora mas nunca li nada dela. Desde que vi a primeira crítica sobre esse livro fiquei com muita vontade de ler, ainda mais por possuir elementos da cultura japonesa e falar de assuntos muito sérios, até mesmo o que causou essa reviravolta na vida de Yoko, que é o de dirigir bêbado.
    Quero poder ler este livro o mais rápido possível e sua resenha só aumentou a minha vontade.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Oi, como vai?

    Eu já tinha lido uma resenha desse livro me interessado, visto que tem bastante elogios. Adoro histórias bem estruturadas e como você disse, essa é assim. Adorei a premissa também e acredito que irei gostar bastante da obra. A capa é bem bonita e me da um ar bem apaziguador, não sei direito haha adorei a resenha! espero poder ler. :D

    beijo!

    ResponderExcluir
  6. Oi!
    Estou lendo esse livro nesse momento e pra evitar spoilers li a sua resenha por alto, mas pelo o que eu li você gostou bastante do livro e isso me deixou bem animada para prosseguir com a leitura.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Oie, gosto desse título e só ele me ganharia, mas além disso o enredo também parece ótimo e adorei saber que podemos conhecer mais sobre a cultura japonesa. E também esse lado de uma acontecimento afetar a vida de todos e como você falou a pessoa apenas julgar e ainda fazem a família do condenado sofrer mais do que já sofria com a condenação. GOstei de saber que aborda família e amizade além de só romance. Fiquei com vontade de ler.

    ResponderExcluir
  8. Oiee ^^
    Os livros da Alana são incríveis, né? Eu cheguei a ler um livro e meio dela (parei na metade de "A estranha mente de Seth"), e sou uma grande fã! "Flor de cerejeira" parece ser maravilhoso, vi no perfil da Alana que o livro está recebendo várias propostas de editoras para publicação, então deve ser mesmo nota 1000 ♥ estou doida para lê-lo, só tenho visto elogios.
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi!
    Achei muito bacana a proposta da autora, acho que nunca li um livro com esse tema, que a menina era excluída pelo pai ter matato outro homem, e ainda ela futuramente ter sentimentos pelo filho desse cara que morreu.
    Fiquei feliz em saber que o livro é muito bem escrito, e que a história é bem estruturada.

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Você não sabe como é gratificante ler a resenha de um livro de uma autora que você adora. Conheci a Alana através do blog e virei sua fã quando li Histórias em Retalhos e as primeiras páginas de Efeito Dominó Parte 1. A Alana é uma pessoa incrível e escreve muitíssimo bem, tanto que até poderíamos duvidar de sua idade (risos).
    Adorei a premissa desse livro, achei legal abordar a questão de musicalidade e de TEI - que também não conhecia, mas vou pesquisar. Anotei a dica dessa leitura e vou passá-la na frente de outros livros, se conseguir adquiri-la!
    Beijos,
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá, já vi algumas resenhas desse livro e desde então já estava bem curiosa com ele. Fiquei muito feliz em ver sua resenha super positiva e ver que realmente gostou também. Isso me anima a ir atrás e ler ele o quanto antes. Ótima resenha!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/?m=1

    ResponderExcluir
  12. Oi, eu já tinha visto esse livro acho que até no blog da Stefani mesmo. Acho a capa desse livro incrível e o título também. E e ele tem uma premissa bem interessante e como você mesmo citou em sua resenha uma história original e diferente da que encontramos por aí.
    Com certeza esse livro está na minha lista de leituras.
    Bj

    ResponderExcluir
  13. Esse livro deve ser otimo, amei o titulo, bem poetico, a capa também está linda. Estou cada bem curiosa em fazer essa leitura. Desejo muito sucesso para a Alana Gabriela e espero ainda ter a oportunidade de fazer essa leitura também e do outro livro dela que a Bruna citou ai em cima! Adorei a resenha.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Oi!
    Eu já tinha lido um resenha e gostado da proposta desse livro e a sua veio para confirmar que eu quero conhecer essa história. Espero conseguir ler logo e conferir a delicadeza do romance e também o que vai acontecer com a família da protagonista.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Olá

    Já tinha visto esse livro e confesso que tenho muita vontade de lê-lo. Toda essa coisa dela ser espancada por algo que o pai fez me deixa bem intrigado, fora que a Alana é parceira lá do blog e tenho altas expectativas sobre a obra.

    Everton Equipe Rillismo
    http://rillismo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Olá!

    Tenho que confessar que estou doida para ler este livro. Alana chegou a me oferecer ele para leitura, mas preferi pegar ele depois que eu desativar minhas leituras. Você está me deixando muito ansiosa para ler com essa sua resenha. Como sempre a Alana trás uma obra profunda e sentimental, e nos mostra vários lados de uma moeda. Eu gosto muito disso na escrita dela. Estou doida para conhecer esta história e me emocionar. Adorei sua resenha <3

    Beijinhos!
    Cantinho Cult

    ResponderExcluir
  17. É a primeira resenha que leio desse livro e já fiquei completamente apaixonada e querendo muito conhecer a história. Acho super interessante essa coisa de as pessoas julgarem os filhos pelos erros dos pais - algo que não deveria acontecer mas que é bem mais comum do que deveria. E por não ter um romance instantaneo, fiquei ainda mais empolgada em descobrir como as coisas acontecem para a personagem :)
    Me convenceu a colocar o livro na lista!!!!
    Beijinhos,
    Lica

    ResponderExcluir
  18. Olá Pollyanna,

    Esse é mais um livro que fico conhecendo aqui no seu blog, a sinopse já tinha me deixado curioso e sua resenha só aumentou a minha vontade de ler, gosto do gênero e também achei a capa muito bonita, dica anotada......bjs.


    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir