Resenha #101: Pseudônimo Mr. Queen

Título: Pseudônimo Mr. Queen
AutoraLoraine Pivatto
Nº de Páginas: 404


O ano é 2012,Dia 21 de dezembro,E a temida profecia maia acaba de se cumprir.
Cidades devastadas,Ruas vazias,A população mundial bruscamente reduzida,E a história dos sobreviventes começa a ser contada.
Os escolhidos iniciam um novo mundo, baseado nas novas regras passadas através dos sonhos.
Agora serão 2 vidas: A primeira até os 70 anos,A segunda, a partir dos 20 e até os 100.150 anos no total.Nenhum segundo a mais.
A nova sociedade começa a surgir:Sem desigualdade,Sem dinheiro,Sem doenças,Sem possibilidade de mortes prematuras,Exceto por uma maneira.
Uma única maneira de morrer, mas que não pode ser revelada.Um segredo que precisa ser guardado.Para salvar a sociedade de si mesma.
Compre aqui em formato digital (Amazon)

Olá pessoal, tudo bom com vocês? Após um mês focado apenas em romances de época, vim falar um pouco para vocês sobre um livro que me tirou totalmente da minha zona de conforto: Pseudônimo Mr. Queen, da autora nacional LorainePivatto.


Acho que a sinopse explica bem do que se trata o livro, mas, vou falar um pouquinho sobre ele antes de começar minhas considerações sobre a obra. Acredito que todos se lembram do papo de que o mundo acabaria em 2012, dia 21 de dezembro, certo? Eu mesma fiquei possessa com a “possibilidade” na época porque seria véspera do meu aniversário e eu não ganharia uns livros que queria a séculos! Rs Enfim!  É nesse contexto que o livro começa.

A história se passa em um cenário pós apocalíptico distópico, onde o mundo como conhecemos acaba quando a profecia Maia se cumpre no ano de 2012, dia 21 de dezembro. Pessoas são escolhidas para reconstruir o mundo, no qual as coisas já começam diferentes. Eles são avisados em sonho que ninguém mais irá morrer nesse mundo. Não existirão doenças fatais, nem suicídio. As pessoas terão a chance de viver uma vida até os setenta anos e a segunda dos vinte aos cem anos.

Neste novo mundo não existe desigualdade, nem dinheiro, nem doenças. As pessoas finalmente vão poder lutar por aquilo que almejam. Sobre a morte? Bem, existe uma única maneira de morrer, que é guardada a sete chaves por algumas pessoas, uma vez que isto significa a proteção da sociedade de si mesma.

É nesse contexto que passamos a acompanhar esta nova sociedade primeiro, através da vida de Regina, depois Larissa, sua filha de criação e Vitória, filha desta segunda.

Será que uma sociedade tão perfeita vai realmente funcionar? Será que esta sociedade é perfeita de fato? O ser humano vai conseguir viver sem status social, dinheiro ou desigualdade?



Bem, como eu disse, é um livro que foge totalmente da minha zona de conforto, então não tenho como realmente compará-la com outras obras do gênero.

Quem nunca se perguntou como seria o mundo sem desigualdade, sem mortes prematuras, sem fome, miséria?

Aqui, Loraine nos apresenta esta sociedade que sempre dizemos que queremos: livre de desigualdades, onde todos tenham educação saúde, moradia e emprego.  As pessoas possuem as mesmas casas, a mesma quantidade de comida, mas, como era de se esperar, a sociedade não se sente satisfeita com isso. Começam a desenvolver programas de pontuação, onde é criado um status dentro da sociedade para que todos não sejam mais tão iguais assim.

Esse sistema de pontuação me lembrou muito o utilizado no seriado Black Mirror, no primeiro episódio da terceira temporada. Se você já assistiu, sabe como aquilo é bizarro.

Como sempre o ser humano não se contenta com a chance de ser alguém melhor, de viver em uma sociedade que não se vale pelo que se tem e sim pelo que se é. E apesar de ser uma visão pessimista, é exatamente a mesma que a minha. Não basta igualdade sem antes o ser humano perceber que “ser mais que os outros” ou “ter mais que os outros” é só pretensiosismo.

É através dessa crítica social, onde o ser humano perde a propriedade privada e a liberdade individual, acompanhada de um enredo inteligente que passamos a acompanhar a vida desses “novos habitantes” do novo mundo. A forma como cada um passa a viver sua vida, a importância ou não que dão para o sistema de pontuações desenvolvido, a forma com a qual se lida com a possibilidade de não morrer.

Como já dito acima, achei a história de Loraine muito inteligente e tenho que ressaltar que sua narrativa também flui muito bem, tanto que li 404 páginas em dois dias apenas. A capa e a premissa me levaram a sair da minha zona de conforto, mas, foi sua escrita e desenvolvimento que acabaram de me conquistar. A forma como ela nos mostra como o ser humano tenta lidar com o orgulho, vaidade e corrupção foi fantástica.

Este livro acabou me remetendo um pouco ao livro “A revolução dos bichos” e isso só fez com que gostasse ainda mais da obra.

Maas, como nem tudo são flores, tiveram alguns pontos que não me agradaram. O primeiro deles foi não conseguir me apegar aos personagens. A única que cativou minha simpatia foi Regina, sendo todos os outros um tanto quanto indiferentes para mim.

A escolha aleatória das pessoas podia ter sido motivada por algum propósito e se foi, bem, passou despercebido para mim. E o último ponto que justificou mas não convenceu foi essa questão do segredo da morte, que no final não era algo tão surpreendente assim. Como eu já disse, justifica, mas não convence.

Acho que o grande ponto desta obra não são os personagens nem os segredos, e sim a análise dos benefícios e malefícios de um estado grande e soberano, onde tudo está preestabelecido e seus componentes apenas seguem regras sem opinar ou se rebelar. É uma análise do fim do direito de propriedade e de liberdade de expressão e junto a todas essas coisas ruins, o surgimento de uma sociedade onde não falta nada para ninguém no âmbito da saúde, moradia, educação e alimentação e é por esse motivo que indico essa obra que, por enquanto está em book tour, mas, espero que, em breve, nas livrarias do país e em ebook.

Resta a indicação e a certeza de que a mudança no mundo só pode ser feita se começarmos pela pessoa que vemos no espelho, como bem disse Michael Jackson. rs

Bem pessoal, é isso! Espero que tenham gostado da resenha! Beijos e até o próximo post!



17 comentários:

  1. Olá
    Eu não conhecia esse título, mas adorei poder conferir suas impressões a respeito, sem contar que fiquei bem intrigada sobre o conteúdo explorado. Acho que, para mim, essa obra também foge da zona de conforto sabe, ainda mais por não saber muito o que esperar na realidade. Uma pena que você nao conseguiu se conectar aos personagens, acho isso essencial em uma leitura.
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Bunita
    chocada aqui com sua resenha
    menina lacrou demais
    fiquei louca por ele
    bezos
    é né uma doçura
    obrigada pela visita
    bezos

    ResponderExcluir
  3. Olá Pollyanna.
    Então...
    sabe aquela resenha que você termina de ler e pensa: MEU DEUS, PRECISO LER ESSE LIVRO PRA ONTEM (rsrsrs). Eu amei o tema do livro e pelo que você diz parece ser bem interessante. Faz tempo que não leio livros desse tipo e vou colocá-lo na minha lista de livros para serem lidos esse ano, pode ter certeza.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Olá
    Eu já conhecia esse livro, mas já fazia algum tempo que não tinha lido resenhas do mesmo. Eu acho essa temática sobre a profecia do fim do mundo bem bacana, tanto que rendeu livros e cumes bem legais. Eu perdi um pouco da vontade de ler a obra, mas se tiver alguma oportunidade futura eu irei ler. Adorei a resenha, e sua frase final, afinal só há mudanças se nós mesmos mudarem. Até mais vê
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Já tinha visto o título por aí, mas nem fazia ideia do que se tratava, achei o contexto mega diferenciado e fiquei curiosa. Pra mim seria sair da zona de conforto e gosto disso.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Estou lendo esse livro no momento e gostando muito apesar de, preciso confessar, achando um pouco difícil me situar na situação em que os protagonistas se encontram. Ao contrário de você, logo no começo já me sinto um pouco cativada pelos personagens e estou bem curiosa para saber quais são as justificativas. É uma pena que tenha funcionado como justificativa, mas que não tenha te convencido. Também acho que é uma pena que você não tenha se cativado pelos personagens.
    Espero terminar esse livro em breve e depois te conto o que senti ao concluir.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Achei a premissa do livro bem bacana. Todo mundo ficou meio tenso com isso de 2012 mesmo, foi um assunto bem chocante. Nunca li uma distopia, acredita? Também está muito fora da minha zona. Mas acho que daria uma chance, deve ser bem legal ver como as pessoas reagem diante de uma situação como essa, que tem tudo o que as pessoas buscam. Obrigada pela dica.
    Ótima resenha, bjs

    ResponderExcluir
  8. Oi Pollyanna, ultimamente tenho lido vários livros que me tiraram da zona de conforto e acabei me surpreendendo com as leituras! Também não costumo a ler distopias, e achei a premissa do Pseudonimo Mr. Queen bem interessante, uma pena você não ter se apegado aos personagens. Gostei da resenha, abraços

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Já vi várias resenhas desse livro e ele contém dois elementos que me faz ficar com muita vontade de realizar essa leitura: uma sociedade pos apocalíptica e a referência de A Revolução dos Bichos. Adorei a sua resenha e me deixou com ainda mais vontade de conferir essa obra.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. EU já li este livro, e gostei dos questionamentos e reflexões que a autora leva seus leitores a fazer. Na época em que li, lembro de ter achado o enredo bem interessante, mas não me lembro s etive algum apego com algum personagem.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  11. Oi Pollyana, tudo bem?
    Distopia è um dos gêneros que mais me agradam justamente por essa reflexão que nos traz sobre a natureza humana e a forma como somos. Acho que por mais que o mundo acabe e recomece umas mil vezes sempre o homem vai encontrar uma forma de perfurar a perfeição. Acho que está embutido na nossa natureza ser tão caótico. As vezes acho que o ser humano pode ter sido um vírus pela forma que a gente destrói tudo ao redor de uma forma ou de outra. Mas são pensamentos bem assustadores que eu deixo trancafiado bem no fundo da mente. Mas são tantas as barbaridades que vemos por aí que eu tenho medo! Tenho medo da minha própria espécie. Estranho neh?
    Eu não conhecia o livro mas achei a proposta da autora interessante e tenho certeza que dentro desse sistema perfeito deve ter alguma obscuridade. E que o sistema de ponto é só uma forma de despertar novamente a ganância no Homem não é mesmo?
    A única coisa que não gostei nesse livro foi a capa bem psicodélica rsrs. Mas eu quero muito ler! Mas como faço para conseguir se ele ainda não tem há venda?
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Oi!

    fiquei bem curiosa com esse livro, pois acho A revolução dos bichos um dos melhores livros da vida. Mas o ser humano é assim mesmo, nunca está contente. Não conhecia a autora, nem o livro, mas fiquei bem curiosa - mesmo -. Com certeza entrará nas minhas leituras no ano que vem.

    beijos =)

    ResponderExcluir
  13. Oi, Polly

    Eu lembro bem dessa profecia muquirana aí, os Maias não estavam com nada, mas que de um medinho...ahh isso deu! hahaha
    Não curti a capa do livro, acho que a história tem muito potencial e merecia uma capa mais elaborada.
    Realmente o sistema se assemelha ao de Black Mirror, bem legal, já pensou se fosse assim na vida real???
    Curti bastante a proposta e certamente leria o livro, mesmo com essa sua ressalva sobre os personagens. Espero que a autora coloque o livro físico para vender em breve.

    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Já tinha escutado falar de Mr Queen e admito que tenho interesse em conhecer a história da autora Loraine. As resenhas que eu li, como a sua, ressaltaram sempre pontos muitos positivos e acho essa capa super diferente. Outro ponto que acho bacana comentar é que distopia não costuma ser um gênero que me aventure muito, mas essa parece ser muito boa, pois contém uma premissa muito interessante. ^^

    ResponderExcluir
  15. Olá,
    Mundo pequeno!! Ontem mesmo a autora entrou em contato comigo para saber se gostaria de participar do booktour da obra e aceitei. Agora aguardo ansiosa minha vez e sua resenha só me fez ficar mais interessada em conhecer a obra e a escrita da autora.
    A premissa é muito interessante e gosto muito de livros do gênero, afinal nos fazem pensar um pouco mais na estruturação da sociedade que vivemos.
    Fico feliz em saber que a leitura flui muito bem e que sua leitura foi tão rápida e prazerosa.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Oi, tudo bem?
    Eu já tinha ouvido falar bastante desse livro e para ser sincera ele nunca chamou minha atenção de fato. Seilá mas esse enredo que fala da sociedade e do mundo não me interessa, mas gostei da proposta dele de de criar algo perfeito. Acredito que para quem curte, seja uma boa.

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  17. Olá!
    Eu sempre fico me pergunta como seria um mundo a qual não existisse tantas maldades como há. Um mundo de perfeição não seria algo que eu almejo. É um tipo de livro que lhe faz refleti. Pretendo ler em breve!

    Oxente, leitora!

    ResponderExcluir